D&D – Diário de Campanha [Capítulo 17]

Local – Underdark – Túneis em direção à Blingdenstone – Ano de 1487 – 8º mês (Eleasis) – Há mais ou menos 50 dias no Underdark.

Personagens

captura-de-tela-2016-11-25-as-18-48-38Ulfgar Thonderrage

Raça – Anão das Colinas

Classe – Clérigo

Nível – 7º – Domínio da Tempestade

Divindade – Talos

Jogador – Diego (26 anos)

Resk da Árvore-Fantasma

Raça – Meio-Orc

Classe – Bárbaro

Nível – 7º- Caminho do Furioso

Jogador – Gabriel (10 anos)

Akmenos, o Faminto

Raça – Tielfing

Classe – Bruxo

Nível – 7º – Pacto do Tomo

Patrono – Grazzt

Jogador – Bruno (15 anos)

_______________

Anteriormente… D&D – Diário de Campanha [Capítulo_15]

_______________

PDMs

Quando o grupo chega até as escadarias escuras de Blingdenstone, os irmãos Isca de Aranha e Yuk Yuk se despedem do grupo e voltam para os Caminhos da Seda, em busca de viajantes que necessitem de auxilio e que possam pagar por isso.

Ali os heróis veem os portões da cidade svirfneblin.

Um portão feito de pedra polida, com uma grande trava de ferro fundido lacrando a entrada. Duas janelas acima da porta, escavadas na rocha, revelam uma leve iluminação vinda de talos-de-fogo.

Há dois sentinelas gnomos que exigem saber o que o grupo faz ali. Turvy e Topsy se apresentam e pedem para que os portões sejam abertos. Porém, Glabbagool está a vista.

Um dos guardas do local e exige que o grupo retorne de onde veio. Os svirfneblin não aceitarão a entrada de estranhos, muito menos acompanhados de um cubo gelatinoso em seu território.

Ulfgar pede calma e solicita uma reunião com o Rei, pois há muitas coisas a serem ditas. Akmenos diz que algo muito mais perigoso que cubos gelatinosos estão emergindo do Lago Negro e é questão de tempo até chegar à fortaleza gnoma.

O guarda continua exigindo que eles retornem, até que alguém do lado de dentro da cidade diz algo.

Um silêncio paira no ar e logo as portas são abertas.

Jimjar está ali para receber o grupo. Ele parece diferente, agora que usa roupas limpas em tons pastéis e um colar de ouro. Ao seu lado um grande galeb duhr, imóvel, observa vocês.

O gnomo explica que quando fugiram da prisão drow, ele não conseguiu escalar com os heróis, e acabou caindo e sendo levado pelo rio abaixo. Porém, sobreviveu e chegou até Blingdenstone.

Jimjar agora é um diplomata da Rainha Senni, responsável por alguns assuntos internos de seu povo. Ele recebe os heróis e os leva até uma área reservada para refeições.

Enquanto isso, ele despacha o galeb duhr para pedir permissão ao Rei para que o grupo de forasteiros entre na cidade.

Uma refeição é servida contendo vários tipos de cogumelos e pequenos répteis em conserva, regada com grandes barris de Stout Ale do LagoNegro, uma cerveja escura feita pelos gnomos svirfneblin.

Jimjar explica a vocês um pouco sobre a situação da cidade dos gnomos.

Blingdenstone, uma vez chamada de Cidade das Pedras Falantes, é um assentamento fundado há mais de 2 milênios atrás.

Por séculos, Blingdenstone permaneceu escondida e isolada do resto do Underdark, graças a combinação de desorientação e magia. Isso até providenciarem abrigo ao drow exilado chamado Drizzt Do’Urden, e os gnomos das profundezas começarem a ter um interesse mais ativo pelo mundo do lado de fora de suas cavernas.

Percebendo a ameaça que os drows representavam para todos os povos do Underdark, os gnomos das profundezas abandonaram seu isolamento quando foram defender os anões do Hall de Mithral, derrotando as forças invasoras de Menzoberranzan.

Esta aliança, no entanto, significaria a perdição de Blingdenstone. Os vingativos drow esperaram por seu momento, reestruturaram suas forças e enviaram exércitos impiedosamente contra os svirfneblin, retornando com grande força o cerco à Blingdenstone.  Os gnomos das profundezas não foram páreos para o exército drow.

Milhares de svirfneblin foram massacrados e aqueles que não escaparam para o Hall de Mithral ou o mundo da superfície, foram acorrentados e arrastados para Menzoberranzan como escravos.

Na última década ou quase isso, os gnomos das profundezas tentam retornar para para recuperar, reassentar e reconstruir sua cidade. O sucesso final de seus esforços, contudo, está por um fio.

A maioria da cidade arruinada está em um local perigoso e permanece fechada com túneis e câmaras lacradas com portões ou seladas por desmoronamentos intencionais.

Os svirfneblin devem ainda lidar com incursões de homens-ratos ilegais, elementais insanos, fantasmas e uma praga de limos invasores.

Os heróis se alimentam, descansam e no outro dia recebem a notícia de que o Rei Dorbo e a Rainha Senni querem vê-los.

Conversando com os heróis ele assume estar a serviço da rainha, mas a contra gosto do rei. A situação licantropa na comunidade é complicada. De um lado há o Rei que quer acabar com a colônia de gnomos licantropos. Do outro, a rainha que busca uma conivência pacífica com aquele povo.

Jimjar precisa conversa com alguns informantes, retomar alguns contatos, mas decide levar os heróis até a baixa Blingdenstone.

Os heróis seguem viagem por alguns dias entre túneis e passagens estreitas, passando por fazendas de fungos. É possível ver que há furtos e destruição causada por licantropos em vários lugares e também percebesse que ataques de limos são recorrentes.

Entretanto, os heróis também veem pontos positivos. A reconstrução do local. Muitos gnomos trabalham com esmero para colocar a cidade em ordem. Elementais de pedra, coordenados por uma gnoma chamada Nomi Pathshutter estão ajudando os gnomos a cavarem túneis, revestirem tetos, fortificarem muradas e liberarem áreas soterradas. Nomi demonstra um interesse pelo grupo e se aproxima.

Jimjar e ela conversam rapidamente e os heróis descobrem que a força dos elementais é vital para a reconstrução da cidade, porém alguns deles estão perdendo o controle, se tornando insano.

Nomi pede ao heróis que, se verem algum elemental descontrolado que o abata e traga a ela o coração do elemental para ela poder investigar o acontecido. Ela pagará o grupo em pedras preciosas por cada coração.

Ela também aproveita a companhia de vocês para seguir até a Corte, pois quer solicitar ao Rei e Rainha ajuda para encontrar a Dádiva de Entemoch, um antigo local sagrado, que guarda um círculo mágico, capaz de conjurar elementais fortificados. isso seria vital para a construção da cidade.

Finalmente os heróis chegam em uma aldeia, do lado de fora da Baixa Blingdenstone. Ali há uma pequena cervejaria local, há lojas de mantimentos e barracas de armas. Diferentes povos estão comerciando ali. Um myconid é visto se afastando da tenda de armas com uma picareta recém-comprada.

Ulfgar que está sem armadura e arma até agora, desde que foi escravizado pelos drow, resolve comprar uma. Dentro da tendade armas os heróis conhecem Gartorrak, um duergar que se espanta ao ver Alvorada na mão de Resk.

O anão das profundezas se incomoda com a arma e revela ter enviado um grupo de duegar para a Tumba de Khaem a fim de recuperar sua antiga espada. Resk diz que agora a arma lhe pertence e que os anões enviados estavam mortos no Templo do Oozing.

O anão sai incomodado, resmungando.

Um elemental de pedra entra na tenda e o dono do lugar, Dasco Pickshine pede para ele colocar as caixas de minérios nos fundos da loja. Porém, o elemental, tomado por uma estranha névoa,  não obedece e sem motivos, ataca os heróis.

Uma luta violenta é travada e o elemental se demonstra forte demais para o grupo. Porém, Ulfgar, mesmo sendo ferido mortalmente invoca todo o poder de Talos e em um golpe abençoado – crítico – explode o peito da criatura.

O dono da loja agradece mas chora a morte de seu companheiro animal, um texugo gigante morto no combate. O clérigo usa sua pedra de magia para reviver o texugo, e ganha o agradecimento do gnomo.

Agora com a perda de seu elemental, Dasco não tem como levar suas mercadorias para Kazook, um gnomo da Guilda dos Mineiros que se encontra nas zonas de cultivo de fungo, e que aguarda ansiosamente as ferramentas para trabalhar.

Os heróis se prontificam a levar a carroça, pois fica no caminho da Corte. Dasco paga em pedras preciosas e garante que Kazook pagará mais quando receber as ferramentas.

Os heróis continuam viagem em busca de uma saída para a Superfície, mas parece que vão angariando obrigações a cada passo que dão dentro da cidade dos gnomos.

___________

2 Comentário

  1. 23 de setembro de 2017    

    Gostei muito do conteúdo elaborado.Haverá continuação da jornada até o final da campanha? Saberia me informar também se existe o livro desta campanha”out of the abyss “em português? Meu grupo de jogadores tem planos de jogar futuramente tal campanha e a preparação do material ou recursos é essencial.

    • 23 de setembro de 2017    

      Haverá. No momento dei uma parada, mas tenho mais capítulos para apresentar. Oficialmente Out of the Abyss só tem m inglês. Porém, há um grupo de fãs, reunindo grandes esforços para traduzir o livro e disponibilizar. Acredito que até o final do mes que vem o livro traduzido por fãs sai. Graças ao D&D Traduções.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja Madrinha/Padrinho do Drunkwookie

Veja o projeto no Padrim, colabore e concorra aos sorteios

Assine "Newsletter Drunkwookie"

Receba as publicações do blog, direto no e-mail!

Parceiros

Publicidade

Show Buttons
Hide Buttons