D&D – Diário de Campanha [Capítulo 13]

Local – Underdark – Vila de Sloobludop – Ano de 1487 – 7º mês (Flamerule) – Há mais ou menos 25 dias no Underdark.

Personagens

captura-de-tela-2016-11-25-as-18-48-38Ulfgar Thonderrage

Raça – Anão das Colinas

Classe – Clérigo

Nível – 6º – Domínio da Tempestade

Divindade – Talos

Jogador – Diego (25 anos)

Resk da Árvore-Fantasma

Raça – Meio-Orc

Classe – Bárbaro

Nível – 6º- Caminho do Furioso

Jogador – Gabriel (10 anos)

Akmenos, o Faminto

Raça – Tielfing

Classe – Bruxo

Nível – 6º – Pacto do Tomo

Patrono – Grazzt

Jogador – Bruno (15 anos)

_______________

Anteriormente… D&D – Diário de Campanha [Capítulo_12]

_______________

PDMs

Superior, da esquerda para direita: Shuushar, Buppido, Stool e Sarith. Abaixo, Glabagool, Topsy e Turvy.

Nossos heróis chegam as águas territoriais de Sloobludop. Os perigos do Lago Negro foram transpostos e agora uma certa calmaria paira sobre o ar. Shuushar finalmente está de volta à sua terra-natal.

Akmenos avista uma pequena jangada individual, com um kuo-toa de pé remando na direção da balsa dos heróis.

Shuushar acena e fala na língua dos kuo-toa. O som é estranho e passa uma sensação de que ele está se afogando. Resk pede para Stool se conectar à mente de Shuushar e à do grupo, e fazer com que todos do grupo entenda a conversa.

O kuo-toa está pescando por horas e tudo o que conseguiu foram lúcios com duas cabeças. O problema não seriam as duas cabeças, uma vez que essa raça adora cabeça de peixes. Porém, o que parecia uma dádiva é uma maldição.

Os peixes estão todos cheio de óleo por dentro. Um óleo negro e fétido. Se continuar assim, a comida ficará escassa para os kuo-toa. Entretanto, segundo o kuo-toa pescador,  esse é o menor dos problemas.

A cidade de Sloobludop foi acometida por problemas religiosos.

O arcebispo Ploopploopeen (ou Ploop), devoto da Mãe do Mar (Blibdoolpoolp) governava soberano a tribo dos Kuo-toa.

Foi por causa dele, que Shuushar abandonou seu povo. A visão fanática do arcebispo incomodava o monge.

Entretanto, há poucas semanas um novo culto surgiu. O culto ao Pai Profundo, (Leemooggoogoon*) começou a ser professado por Bloppblippodd (ou Blopp), a filha do próprio arcebispo.

Sendo assim, a tribo está dividida. Uma parte dela fica na região central, ao redor do Templo da Mãe do Mar. Enquanto o grupo liderado por Blopp, fica no altar próximo as margens da praia. Ali foi criado uma tosca e medonha imagem para retratar o Pai Profundo.

Acontece que ao lado de Blopp está Klibdoloogut (ou Klib), um Kuo-toa Açoitador que tem uma tendência à tortura, como caminho à iluminação religiosa, isso sem falar nos sacrifícios de sangue ao novo deus. Ele está caçando kuo-toas devotos da Mãe do Mar e indecisos, para serem usados como sacrifício no altar do Pai Profundo.

Shuushar agradece as informações e avisa o grupo que será necessário ter cuidado ao adentrar na cidade e que será melhor encontrar Ploop primeiro para entender melhor  situação do local.

O monge assegura que depois de um descanso, refeição e coleta de suprimentos, ele poderá indicar aos heróis o caminho para a Superfície. Sarith diz que antes de chegar a Superfície seria melhor levar Stool até Neverlight Grove. Ulfgar diz que isso será decidido quando tudo estiver pronto para a partida do grupo.

Os heróis ancoram a balsa em um local tranquilo, sem kuo-toas à vista. Seguem pela praia, andando por entre colunas de pedra e estalagmites espalhadas pelo lugar. O local é exótico. Os kuo-toas usam o relevo local para criar um “segundo andar” na região. Acima deles, algumas escadas feitas de madeira Zurk e corda trançadas fazem conexão entre plataformas suspensas e elevados naturais.

Glabbagool fica encantado com a cidade, e diz nunca ter imaginado que algo como aquilo poderia existir.

A cidade parece deserta.

Resk que está liderando o grupo percebe – percepção passiva vs furtividade de um kuo-toa hostil – algumas pedras caindo de um barranco ao lado deles.

Ele avisa seus amigos e saca seu machado mágico. Quando o bárbaro olha para cima, vê dois kuo-toa açoitadores e seis kuo-toas com lanças afiadas.

Todos eles tem o rosto pintado com óleo negro e olhares malignos.

Eles gritam uníssono:

Leemooggoogoon.Leemooggoogoon.Leemooggoogoon.

Ulfgar desfere um contra golpe com Fúria Destrutiva, assim que um dos kuo-toas pulam sobre ele com uma lança, que atinge sua cota de malha. A força do contragolpe é tamanha – 16 PV – que fulmina a criatura.

Akmenos conjura Reflexos e usa sua Capa dos Saltimbancos para se teletransportar para um tereno alto.

Buppido é atingido por uma lança. Topsy e Turvy tentam escalar o paredão rochoso para chegar até os kuo-toa com lança.

Os dois kuo-toa açoitadores encontram o heróis que pode causar mais estragos. Eles pulam para o chão e ambos atacam o clérigo de Talos. Com seus bastões pinçados, eles agarram os dois braços do clérigo.

Resk da Árvore Fantasma vê a situação de Ulfgar, entra em fúria e investe contra um dos açoitadores.

Os gritos fanáticos continuam:

Leemoogoogoon…

Tospy e Turvy conseguem matar um kuo-toa na parte alta do campo de batalha., mas Topsy é empurrado lá de cima e atinge as pedras ao cair. O svirfneblin não levanta.

Akmenos, conjura rajadas místicas com sua varinha arcana e acaba com mais um kuo-toa de lança.

A gritaria dos kuot-toa parece criar um som vicioso e afeta a sanidade dos heróis. Os heróis não sentem-se seguros – Condição: Amedrontado – na batalha. Apenas Resk parece não abalado (Por causa da Fúria Inconsciente) com os cânticos profanos.

Quando parece não haver possibilidade de vencer, mesmo com Turvy matando o último kuo-toa no nível superior do campo de batalha, um outro grupo de kuo-toa aparece.

Esses estão pintados de vermelho, e muitos deles tem polvos vermelhos cobrindo o crânio.

Blibdoolpoolp – Eles gritam!

Pela Mãe do Mar! Mãe do Mar!

O novo grupo de kuo-toa investe contra os açoitadores, que são mortos, liberando assim Ulfgar dos bastões pinçados.

Com a ameaça dissipada, o grupo conversa com os heróis. Topsy  é curado por Ulfgar.

– Sloop não gostará de ver você, Shuushar.

Shuushar pede uma audiência com Sloop. Entretanto os kuo-toa dizem que os heróis já eram esperados e serão escoltados até o Templo da mãe do Mar.

Depois de andarem algumas horas os heróis encontram kuo-toas não combatentes. São fêmeas, crianças e velhos de escamas esbranquiçadas, fazendo trabalhos rotineiros como tecer redes, afiar armas, e preparar comidas.

Em uma área central, os heróis avistam um altar que guarda uma figura entalhada em madeira, de mais de 5 metros de altura, lembrando vagamente o corpo de uma mulher humana. A cabeça e os membros superiores são partes da cabeça e garras de uma lagosta albina, gigante.

Enquanto os heróis contemplam a figura da Mãe do Mar, o alto sacerdote se aproxima.

Blibdoolpoolp ouviu minhas preces! Ela mandou vocês, ó estranhas e exóticas criaturas! A força contida em vocês, servirá para reunir nosso povo, novamente! Nos ajudem e terão uma recompensa adequada!

Sloop convida os heróis para um banquete. O banquete consiste em crustáceos, ostras, cogumelos e pequenos insetos. Nenhum peixe é servido.

O clima entre Shuushar e ele tem uma certa mágoa, e ambos não dirigem ao outro diretamente.

O arcebispo explica a história, bem parecida com aquela que o pescador contou.

Ele está com medo, pois a cada dia novos kuo-toas são capturados para serem sacrificados ao pai Profundo. Isso faz com que aqueles que temem pela própria vida se convertam forçosamente, ao invés de morrer.

Sloop tem certeza que, se chegar até sua filha, longe de Klib, conseguirá convencê-la da loucura.

É Ulfgar que propõem um ousado plano.

O anão se retira e conjura augúrio para saber se seu plano tem chances de obter êxito. Ao rolar suas runas de ossos de dragão azul, um enviado de Talos diz que pode haver sucesso em seu plano.

Ulfgar diz que deverá ser levado numa maca, como se estivesse morto, para ser dado como oferenda ao Pai Profundo. Sloop levará o prêmio e também se “se entregará” à Fé do Pai Profundo.

Enquanto isso, Akmenos e Resk seguirão pelas sombras e aguardarão o sinal de Ulfgar, que acredita conseguir acordar da sua magia Forjar Morte no momento certo.

Assim, os kuo-toas ficarão assustados e os heróis ganharão tempo para que Sloop fale com sua filha, sem interferência de Klib.

Entretanto, o anão clérigo exige que, como pagamento pelos serviços prestados suprimentos para 15 dias sejam recolhidos e tudo esteja pronto para que o grupo possa partir para a Superfície logo na sequência. Sloop ordena que coletores e carregadores kuo-toas busquem alimentos, e depois levem as mochilas de suprimentos para aos túneis que conduzem à Superfície.

Junto com os suprimentos ficam Turvy, Topsy, Stool e Sarith, aguardando os heróis para seguirem caminho.

Três dias são necessários para todos os arranjos necessários. E então o grupo segue com a farsa.

Após Ulfgar conjurar em si mesmo forjar morte o grupo segue com o plano.

Sloop segue a frente da caravana, levando um corpo de uma exótica raça da Superfície para sangrar pelo Pai Profundo. Os guardas de Blopp aceitam as palavras do homem e deixam eles avançarem.

O pátio do lugar está repleto de kuo-toas em transe, gritando:

Leemooggoogoon.Leemooggoogoon.Leemooggoogoon.

Uma escadaria íngreme leva até uma plataforma natural que tem cerca de 30 Metros de altura. A plataforma rochosa acaba drasticamente, dando direto no Lago Negro. No centro da plataforma há uma estranha imagem.

Dois polvos amarrados sobre uma arraia degolada. Sangue cobre todo o pátio de pedra. E um cheiro de podridão e peixe invade as narinas daqueles que chegam próximos ao altar.

Na frente do altar há 3 kuo-toas amarrados pelos tornozelos e pulsos. Na frente de cada um há uma bacia de pedra e uma faca cerimonial.

Blopp, com vestes vermelha e azul, se aproxima do pai exigindo explicações. O pai explica que está renunciando a Mãe do Mar e apoiando o Pai Profundo e como prova, trouxe um anão da Superfície.

Klib, o braço direito de Blopp não confia no arcebispo. E pede para Blopp continuar com os sacrifícios pois ele sonhou com Leemoogoogoon  aparecendo para honrar seus fiéis.

Blopp pede para o pai se afastar e exige que as vítimas em frente ao Altar sejam degoladas.

Nisso, Resk e Akmenos já passaram pelos fiéis no pátio, em frente a escadaria e tomaram lugar na plataforma, às sombras da imagem do Pai Profundo, apenas aguardando as ordens de Ulfgar.

Leemooggoogoon.Leemooggoogoon.Leemooggoogoon.

Buppido e Sarith ficam no térreo, para agirem caso haja algum levante.

Quando o segundo kuo-toa é degolado pelas mãos de Klib e o sangue enche a vasilha de pedra abaixo dele, Ulfgar desperta** e já conjura taumaturgia.

Uma voz grave retumba:

Deixem de adorar o falso deus! Adorem a mim!

Ulfgar se levanta e surpreende os kuo-toas e até mesmo Blopp e Klib.

Ele aproveita a chance e conjura Espíritos Guardiões.  Com um apsecto divino/demoníaco o clérigo exige que os kuot-oas se curvem a ele. Nesse momento o bárbaro e o bruxo correm até as escadas e fecham a passagem, para que nenhum kuo-toa suba até o altar.

Um misto de confusão e ódio afetam os kuo-toas.

Leemooggoogoon.Leemooggoogoon.Leemooggoogoon.Leemooggoogoon.Leemooggoogoon.Leemooggoogoon.

Alguns kuo-toas fogem e outros avançam pela escadaria.

Sloop se aproxima da filha e tenta convencê-la loucura, enquanto Ulfgar anda em direção à Klib, forçando-o à enfrentar os espíritos guardiões. A criatura não obtém sucesso e é morta pela magia do clérigo – 23PV -.

Quando Klib cai ele crava a adaga cerimonial na própria garganta, e se joga na terceira bacia de pedra. O sangue enche a bacia.

um zumbido estranho, mais alto do que o cântico evocado pelos kuo-toa ecoa pelo local.

E logo uma revoada de Ixitxachitl surgem do Lago Negro, voando para a plataforma rochosa e o pátio abaixo, atacando todas criaturas vivas, sejam kuo-toas sejam nossos heróis.

Essas criaturas, são pequenas aberrações, que lembram arraias. porém elas voam e atacam com suas caudas cobertas de espinhos. Algumas delas, são maiores e tem a habilidade de sugar sangue, como se fossem vampiros.

Gritos, berros, uivos cortam a noite em Sloobludop. Uma massa de kuo-toas ensanguentados tentam avançar pela escadaria e são derrubados pela Fúria de Resk e os raios ardentes e rajadas místicas de Akmenos.

Ulfgar conjura magias ofensivas para afastar o povo-peixe que não param de avançar. A escada está cheia de corpos dilacerados por ixitxachitl e pelas magias e machado dos heróis. Sarith está matando kuo-toas, enquanto Buppido não é visto em local algum.

Blopp, ao ver os ixitxachitl parece ter entendido o que está havendo. Ela se aproxima do pai e o abraça. Sloop chora de alegria, mas logo suas feições mostram dor.

Uma faca cerimonial atravessa seu coração, e o velho arcebispo cai no pátio de pedra.

Blopp arrasta o pai até a quarta bacia de pedra, gritando:

Leemooggoogoon.Leemooggoogoon.Leemooggoogoon.Leemooggoogoon.Leemooggoogoon.Leemooggoogoon.

Quando o sangue do coração enche a bacia de pedra, um estalo é ouvido e sentido. Tudo cessa. Foi como se um trovão atravessasse o ser de cada indivíduo e os paralisasse.

Logo as águas do Lago Negro borbulham, e um óleo negro ferve lançando fumaça e enxofre na atmosfera viciante do Underdark.

Os kuot-toas gritam, e agora a língua deles parece encontrar o nome correto da criatura.

Leemooggoogoon.Leemooggoogoon.Leemooggoogoon.Leemooggoogoon.Leemooggoogoon.Leemooggoogoon.

Logo, algo brilha debaixo das águas negras do Lago. Duas esferas enormes alaranjadas fazem a agua borbulhar.

Do Lago Negro emergem duas cabeças com mandíbulas vertendo fogo. As cabeças lembram vagamente babuínos degenerados! Junto, surgem tentáculos gigantes cheios de ventosas, cobertos de óleo sulfúrico.

Leemooggoogoon.Deemooggoogoon.Demoggoogoon.Demogorgon.Demogorgon. DEMOGORGON!

Ele surgiu! O Príncipe dos Demônios, a Besta Sibilante!

Convocado através de um estranho ritual, liderado por um povo que não faz ideia do que fez ou apenas por que está livre do seu Plano, ele está no Underdark!

Um dos tentáculos do Príncipe dos Demônios atinge a plataforma e destroça a tosca tentativa de recriar a imagem do Pai Profundo.  Os polvos são esmagados e a arraia partida em dois.

Ulfgar rola escada abaixo enquanto Resk e Akmenos ficam cada um de um lado do tentáculo que exala morte, dor e sofrimento.

Ao encararem pela primeira vez o Demogorgon, cada herói sente o que vem a ser a Fúria dos Demônios.

Os jogadores rolam os dados para um teste de Sabedoria… Parece que a Loucura incutida pela presença do Demogorgon será definitiva para o futuro do grupo.

____________________

OBS:.

* O Nome do Pai Profundo é um entendimento/pronúncia equivocada do nome Demogorgon. Isso está no livro Out of The Abyss. Eu achei sensacional esse plot twist. Foi divertido demais trazer esse monstro para o jogo, e consegui manter o mistério até o final. Meus jogadores pularam da cadeira quando debaixo d’água, duas bolas de fogos acenderam e logo as cabeças símias surgiram.

** Ulfgar usou um ponto de Inspiração para força o seu despertar. Como a magia augúrio havia dito que ele conseguiria êxito em sua empreitada, eu liberei o uso do ponto de inspiração para cessar o efeito de Forjar Morte.

Material de Apoio 

Cartas de condições

Ainda não há comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja Madrinha/Padrinho do Drunkwookie

Assine "Newsletter Drunkwookie"

Receba as publicações do blog, direto no e-mail!

Publicidade

Show Buttons
Hide Buttons