Vale a Pena Ler – Neil Gaiman

Para muitos o título desse post pode parecer a constatação do óbvio.

Todo mundo sabe que vale a pena ler Neil Gaiman. 

Foi o que pensei, ao começar a escrevê-lo. E confesso ter passado alguns minutos olhando para o título, determinado em mudá-lo.

neil-gaiman2

Porém, percebi e isso já faz algum tempo, que algumas pessoas, por vários motivos (justificados ou não), ainda não tiveram (ou não sabem que tiveram) contato com nenhuma obra desse autor fascinante.

Então decidi trazer para vocês 10 obras, e não apenas livros, de Neil Gaiman que acredito serem vitais para todos amantes das palavras.

Palavras no sentido mais abrangente possível, pois Neil Gaiman parece à vontade em todo  qualquer  meio que sirva para transmitir conhecimento.

Neil Gaiman e sua importância

Extrai-se ideias de devaneios. Extrai-se ideias do tédio. Extrai-se ideias o tempo todo. A única diferença entre os escritores e as outras pessoas é que nós percebemos quando estamos fazendo isso.

Elegi Neil Richard MacKinnon Gaiman como meu autor favorito, há alguns anos atrás e duvido muito que mudarei de opinião.

J. R. R. Tolkien, Lewis Carroll, Cormac McCarthy, G. R. R. Martin, Tariq Ali, George Orwell e Bernard Cornwell e alguns outros tem seus lugares cativos na minha “Prateleira Principal”. Sempre terão.

Entretanto, Neil Gaiman é um pouco mais do que cada um. Ele é o mais apaixonado autor que conheço. Ele ama escrever. E isso me fascina.

doctor-wife

Gaiman, a Esposa do Doutor e o Doutor.

Ao ler suas obras automaticamente entro dentro da história e vejo o quão importante um livro é. O modo como ele aborda a Fantasia é arrebatador.

Se existem seres responsáveis em não deixar a Fantasia morrer no Mundo, Neil Gaiman é um dos representantes mais proeminente, ainda vivos.

Ele tem o domínio sobre a arte de escrever. Todavia, não esperem encontrar “um gênio amarrador de pontas soltas de grandes tri-quadri-logias”. Ele não é esse tipo de autor. Na verdade, receio que essa nunca foi sua pretensão.

Ele é um autor que fala de Fantasia e Contos-de-Fada de uma forma simples e profunda.

bem… Falar de Neil Gaiman e de sua obra é falar de uma paixão.

E como em todas paixões, existem os momentos intensos, os momentos mágicos, os momentos complicados e os momentos decepcionantes.

Porém, no final, percebemos que o conjunto todo vale cada segundo investido.

Quem é Neil Gaiman?

enhanced-buzz-9619-1346957690-8

Alem de ser inglês, escritor de mais de 20 livros (dos quais li mais de 15) e, talvez, uma centena de HQs (das quais eu li todas), Neil Gaiman é um cara normal com alguns atributos raros hoje em dia:

Criatividade absurda e humildade contagiante.

E essa criatividade e humildade acaba te fascinando. Lendo seus livros, acompanhando suas obras, você percebe que ele é alguém que merece toda a sua atenção.

O modo como ele vê os livros e a escrita em geral, como instrumentos transformadores, é algo raro nos dias de hoje. O amor que ele tem pela Fantasia é evidente.

É aqui que quero chegar.

A proposta do post de hoje é apresentar não apenas um ou dois livros, mas sim 10 obras de Neil Gaiman que devem ser conhecidas/lidas/ouvidas por todos aficionados por literatura, por Fantasia e pela Escrita em geral.

Espero que gostem e que se permitam! Quadrinhos, videos ou livros… Não importa a o tipo de mídia, o que importa é a mensagem.

01. Sandman

FullSizeRender

Mídia: Quadrinho

Duração: 75 Edições

Onde comprar?

sandman-vol-1-edicao-definitiva-neil-gaiman-8573516534_200x200-PU6eb4efe5_1

para comprar, clique aqui

___________________

Todo mundo tem um mundo secreto dentro deles. Quero dizer todos. Todas as pessoas em todo o mundo, eu quero dizer todos – não importa o quão maçante e chato eles se sintam no exterior. Dentro, eles todos tem inimagináveis, magníficos, maravilhosos e estúpidos mundos incríveis… Não apenas um mundo. Centenas deles. Milhares, talvez.

Todas pessoas deveriam conhecer Sandman de Neil Gaiman.

Sendo ou não fã de Quadrinhos é preciso lê-la pois a obra ultrapassa qualquer pé atrás que alguém possa ter com esse tipo de mídia (História em Quadrinhos).

action-comics-20100708113308165A obra é tão primorosa, tão fascinante e importante, que arrisco a dizer que já virou parte do inconsciente da cultura geek/pop (ou seja lá qual nome é dado à nossa cultura hoje).

Quem nunca evocou a imagem da Morte na figura de uma garota Gótica com um guarda-chuva?

As histórias originais sobre Morpheus e sobre sonhos se mesclaram à renovação criada por Gaiman na década de 80 e até hoje não se desvincularam. Nem nunca se desvincularão.

A influência desse Quadrinho, os personagens que dela derivaram, as mensagens passadas, são simplesmente fantásticas.

Deixo aqui uma pequena sinopse que nem de longe atinge a beleza e complexidade da obra:

A história é desenvolvida pelo ponto de vista de Sonho, um dentre os sete perpétuos, a representação antropormófica do sonho, inicialmente preso por um grupo de humanos que almejava prender sua irmã mais velha Morte para que se tornassem imortais, mas falharam.

Após fugir, Sonho precisa reaver tudo o que perdeu, reconquistar seu lugar e reconstruir seu Reino (O Sonhar).

death

Porém, preciso ser sincero. Para aqueles que não estão habituados com Quadrinhos, eu aconselho a começar a ler a partir da edição 08, chamada “O Som de suas Asas“.

Esse é o momento em que Sonho conversa com a irmã Morte, após sua fuga.

A partir daí, será impossível parar. Eu garanto.

“É o mistério que permanece. Não a explicação”.

02. Fumaças e Espelhos

FullSizeRender 3

Mídia: Livro

Quantidade: 304 páginas

Onde comprar?

temporariamente esgotado

___________________

Eu realmente gostaria de escolher um livro que não estivesse esgotado para compra. Porém, é impossível falar de Neil Gaiman e não falar desse compilado de contos. Essa coletânea mostra o domínio de Gaiman com a escrita e a facilidade com que ele cria.

São contos dos mais diferentes temas, dos mais diferentes estilos. E todos são únicos.  É um dos meus livros favoritos.

Os destaques na coletânea são:

O Varredor de Sonhos que é profundo e genial. Bay Wolf que é divertidíssimo. Shoggoth’s Old Peculiar pois só o título já vale a leitura. (Mitologia de Cthullu e Cerveja Ale, uma combinação que para mim, faz todo sentido).

Não podia deixar de citar Bolinhos de Bebê, como o melhor conto do livro.

Esse livro consegue mostrar a criatividade de Neil Gaiman. Escrever sobre tantos assuntos diferentes, não é fácil. É isso que comprova a habilidade dele com as palavras.

Depois que os sonhos acabam, depois que você acorda e troca um mundo de loucura e glória pelo trabalho diário, maçante  mundano, iluminado pelo dia, pelas ruínas de suas fantasias abandonadas, vem o Varredor de Sonhos.

03. Coisas Frágeis Vol. 01 e 02

FullSizeRender 2

Mídia: Livro

Quantidade: 205 páginas (volume 01); 168 páginas (volume 02)

Onde comprar?

7362519G1

Compre aqui

7362511G1

compre aqui

___________________

Eu já falei sobre Coisas Frágeis Volume 01, aqui no blog.

Na época havia dito que:

O livro é muito divertido e leve. Por isso não esperem uma trama muito intrincada ou extensas explicações sobre os personagens. Neil Gaiman prima pela simplicidade e gosta de deixar o mistério no ar, para que o leitor crie suas próprias conclusões.

E ainda acho isso. São contos que nos trazem “uma fatia” de determinada história. A melhor fatia.

Esses livros acabam mostrando bem o estilo de Neil Gaiman.

Despretensioso, sem deixar de lado a técnica narrativa apaixonante e cativante.

Esses livros serão responsáveis por tornar vocês fãs do escritor britânico. Lendo esses dois volumes, vocês verão que os contos são a especialidade de Neil Gaiman.

Ele traz consigo muita influência de escritores de fantasia e isso perceberemos ao longo de sua carreira. Ele é fã declarado de G. K. Chesterton (outro grandioso autor). Não vou me estender falando sobre Chesterton, porém deixo uma frase dele, que com certeza mostrará um pouco do autor que ele é.

Contos de fada não dizem às crianças que dragões existem. Crianças já sabem que dragões existem. Contos de fada dizem às crianças que dragões podem ser mortos.

04. Instruções

FullSizeRender 4

Mídia: Livro

Quantidade: 205 páginas (volume 01); 168 páginas (volume 02)

Onde comprar?

Instruções-Neil-Gaiman-e-Charles-Vess

compre aqui

___________________

Um livro nonsense, que traz uma mensagem muito significativa. É um livro ilustrado que traz instruções para como viver nossa jornada.

Quando você voltar, percorra o mesmo caminho.

Favores serão retribuídos, dívidas serão sanadas.

Não esqueça de ser educado.

Não olhe para trás.

O livro traz ilustrações de Charles Vess, parceirão de Neil Gaiman. Ambos trabalharam juntos em Sandman, Stardust e alguns outros projetos.

Eu gosto muito da forma leve com que ele apresenta uma história ingênua, mas que fala diretamente com você.

A mensagem que o livro traz é tocante, porém vem de uma forma tão leve e fluída que você somente perceberá quando estiver envolvido.

instructions_spread16-19c

Você conseguirá lê-lo em questão de uma hora. A mensagem ficará contigo por muito tempo.

05.  O que Aconteceu com o Cavaleiro das Trevas? (Whatever Happened to the Caped Crusader?)

FullSizeRender 5

Mídia: Quadrinhos

Duração: 02 edições

Onde Comprar?

batman-o-que-aconteceu-ao-cavaleiro-das-trevas-andy-kubert-neil-gaiman-8565484343_600x600-PU6ea8ae52_1

compre aqui

___________________

Uma HQ sobre o Funeral do Batman. Isso mesmo. O Funeral do Homem-Morcego.

Calma, eu explico. Há alguns anos, o Batman morreu. (Sim, nos Quadrinhos morrer e ressucitar tem o mesmo peso que o “Vou ao banheiro, já volto” dos pobres mortais, como nós).

E ficou à cargo de Neil Gaiman escrever as duas (que seriam as últimas) edições do Morcego.

Ele escreveu. E escreveu um das melhores histórias do Cavaleiro das Trevas.

As 60 páginas destinadas ao Batman é uma declaração de amor ao personagem. Não existe outra definição.

Tudo foi pensado de forma maravilhosa e perfeita.

O Batman em seu caixão sendo retratado de uma forma diferente a cada quadro, uma clara homenagem aos artistas mais importantes que passaram pelo Homem-Morcego.

Os vilões prestando condolências e falando sobre seu rival, agora morto. Várias pequenas histórias dentro de uma história maior, criando uma verdadeira obra de arte.
É realmente um conto sobre Batman. Uma teia, feita de vidas alternativas do Batman, que o levam ao mesmo destino.

Detective853-020

O final da trama é surpreendente e arrepia até o mais cético dos leitores.

Esse arco de história mostra o amor de Neil Gaiman pelos Quadrinhos. Eu defino como:

Uma carta de amor aos super-heróis

06. Doctor’s Wife (Episódio de Doctor Who)

Captura de Tela 2015-09-09 às 00.51.45

Mídia: TV

Duração: 01 episódio de 47 minutos

Onde Comprar (ou assistir)?

imagem.aspx

compre aqui

Ou NetflixPara quem tem Netflix, fica mais fácil! Lá eles tem a Sexta temporada.

___________________

O quarto episódio da sexta temporada de Doctor Who foi escrito por Neil Gaiman. Para quem não é fã do Universo de Doctor Who, acredito que o episódio não fará tanto sentido, quanto faria para um espectador que gosta da série.

Mas, eu não podia deixar de falar dele.

Primeiro porque Neil Gaiman está fora da sua “zona de conforto”.  Não é um livro,é um roteiro de série.

Segundo porque é um episódio que cita tantos momentos clássicos da série, que podemos perceber que o autor é fã da série.

The-Doctor-1024x576

Esse episódio trata de um assunto bem peculiar e sentimental, trata sobre a “Esposa do Doutor”.

Não vou dar spoilers, mas há diálogos tão impactantes, que é fácil notar o amor e o comprometimento de Neil Gaiman com a série. É um episódio feito de fã para fã.

Voz: “Você deveria me temer, já matei centenas de Senhores do Tempo”
Doutor: “VOCÊ deveria me temer, eu matei todos eles.”

07. Palestra sobre o Futuro das Bibliotecas

Mídia: palestra

Duração: –

Onde ler: Internet

___________________

Aqui é possível ver o carinho e a preocupação que ele tem pela escrita, pelos livros, pelo aprendizado que vem das Palavras.

Dora Steimer, do blog Index-a-Dora, traduziu a palestra de Neil Gaiman e eu disponibilizei o link aqui embaixo:

Cliquem aqui, para ler

Ficção de prosa é algo que você constrói a partir de 26 letras e um punhado de sinais de pontuação, e você, você sozinho, usando a sua imaginação, cria um mundo e o povoa e olha através dos olhos de outros. Você sente coisas, visita lugares e mundos que você jamais conheceria de outro modo. Você aprende que qualquer outra pessoa lá fora é um eu, também. Você está sendo outra pessoa e quando você volta ao seu próprio mundo, você estará levemente transformado.

Neil Gaiman Reading Agency Lecture20

Para ler, clique aqui

08. Deuses Americanos

SONY DSC

Para comprar, clique aqui

Mídia: Livro

Quantidade: 448 páginas;

Onde comprar?

Captura de Tela 2015-09-08 às 18.08.23

Para comprar, clique aqui

___________________

Talvez aqui more os momentos difíceis de uma relação. Deuses Americanos é uma das obras mais conhecidas e aclamadas de Neil Gaiman. O enredo é genial. Deuses, antigos e novos, entre nós. Quem são os novos deuses? Adorados pelos homens neste novo século?

Vocês verão deuses antigos como Odin vivendo uma vida sofrida por falta de fiéis, e verão a TV vivendo de forma ostensiva, rodeada de adoradores. Para onde os deuses vão quando ninguém mais os veneram?

O livro tem uma temática sensacional. Eu li em pouquíssimo tempo.

_ Quem é você?

– Tudo bem. Boa pergunta. Eu sou a caixa dos idiotas. Sou a TV. Eu sou o olho que vê tudo e sou o mundo do raio catódico. Eu sou o tubo dos tolos… o pequeno altar na frente do qual a família se reúne para adorar.
– Você é a televisão? Ou alguém na televisão?
– A TV é o altar. Eu sou aquilo pelo que as pessoas se sacrificam.
– Como se sacrificam? – perguntou Shadow.
– O tempo que tem –Disse Lucy.

Porém, não gostei tanto quanto achei que gostaria. Atribuo isso à escolha de formato. Se Neil Gaiman tivesse escrito um conto, acho que eu gostaria mais.

O desenrolar do enredo se estendeu muito, e muitas coisas foi pulverizada ao longo das páginas, e para mim, perdeu a força.

É como uma série legal, que teria dado um filme espetacular. Acho que é essa a definição para Deuses Americanos.

Entretanto, é uma leitura obrigatória.

09. Discurso “Faça Boa Arte”

Mídia: Discurso/Livro

Quantidade: 20 minutos / 80 páginas

Onde comprar?

Captura de Tela 2015-09-08 às 18.07.08

Para comprar, clique aqui

Um livro que traz a mesma mensagem passada no link abaixo. É a transcrição do discurso.

Aqui Neil Gaiman dá uma aula de humildade e perseverança. Ele desvenda o mistério por trás de ser escritor, músico, professor ou astronauta.

Você pode ser qualquer coisa que quiser.

É inspirador. Acho que só posso dizer isso. Assistam, e entenderão.

É o tipo de vídeo que te dá suporte, que te lembra que abrir mão de tudo para seguir seu sonho é o melhor caminho.

Pessoas que sabem o que estão fazendo, sabem as regras. E elas sabem o que é possível e o que é impossível. Vocês não sabem e vocês não deveriam saber. As regras do que é possível e impossível nas artes foram feitas por pessoas que não haviam testado os limites do impossível, indo além deles.

10. […]

Sim, a décima obra de Neil Gaiman eu deixo em branco. Pois gostaria de saber de vocês qual obra é capaz de ajudar a convencer novos leitores de que VALE A PENAR LER – NEIL GAIMAN.

Acredito ter falado tudo o que acho sobre esse autor fantástico, e agora espero que vocês me digam… Seja você, fã incondicional do escritor britânico ou alguém que começou agora a ler as obras dele.

Qual outra obra você colocaria aqui e o que te fascina na obra de Neil Gaiman?

 

16 Comentário

  1. Fernanda Castro Fernanda Castro
    10 de setembro de 2015    

    Fiquei rindo de orelha à orelha enquanto lia o post, de te ver tentando explicar o que é ler Gaiman, o que é que faz dele tão diferente e encantador. Sempre passo por isso quando vou indicá-lo pra alguém. Faço textos enormes, falando sobre como ele faz o mundano se tornar mágico, sobre o olhar humilde que ele tem sobre as coisas, sobre como ele foge dos estereótipos mas ainda mantém a retidão moral de um jeito crível, de como os livros dele deixam a gente leve…E ainda assim eu nunca acho que consegui chegar ao ponto. Foi maravilhoso ver que não sou a única, e, principalmente, ver que outra pessoa também captou essa “essência gaimaniana”, hahaha.
    Como décima obra eu fico na dúvida. Pelo lado literário, recomendaria The Graveyard Book, pela narrativa extremamente sensível e o toque mórbido. Gaiman faz umas reflexões bem interessantes nele, vale a pena.
    Mas meu lado fangirl romântica sempre terá uma quedinha por Stardust, que eu acho quase um manual sobre relacionamentos travestido de conto de fadas, hahahaha.

  2. Helentinaa Helentinaa
    10 de setembro de 2015    

    Eu sempre me encho de felicidade quando vejo um blog literário falando do Gaiman (coisa q é recorrente pq o cara é bom mesmo), pq é bem isso, eu acho q todos deveriam ler Gaiman. O cara é incrível, o cuidado dele com as histórias, o seu compromisso com elas, a construção dos personagens, as referências tão bem intercaladas à cultura pop e mitologias diversas nas suas obras me faz pensar em quanto tempo ele leva pesquisando os assuntos, bem se vê q ele é um cara dedicado.

    Tenho quase tudo dele, tudo o q foi lançado em português, obras autografadas (fui na flip de 2008 só para conhecê-lo e não me decepcionei, ele além de tudo reconhece o carinho dos fãs e o retribui, tem coisa melhor q isso?), e posso dizer sem sombra de dúvidas q ele é o meu escritor favorito. Então sim, eu sempre me encho de orgulho e alegria quando alguém cita e indica o cara, pq de verdade ele merece.

    Um livro pelo qual sou louca e acho q qualquer um q o leia se encanta é Stardust, conto de fadas tipicamente Gaimaniano, doce, aventureiro, encantador.

    Adorei o post, parabéns!

  3. Islan Oliveira Islan Oliveira
    11 de setembro de 2015    

    Eu conheci o Gaiman através de Doctor Who, embora já tivesse ouvido falar de Sandman e Deuses Americanos. Deuses Americanos tem uma proposta genial, mas pra mim, algumas vezes foi confuso. O tema poderia render uma série de livros, mas como você disse, essa não é a “praia” de Gaiman.

  4. Susie Derkins Susie Derkins
    13 de setembro de 2015    

    Lindo post. Eh bom saber o motivo pelo qual alguém elege o seu autor favorito.
    Eu tb confesso aqui que quando li o discurso de formatura, fiquei bastante impressionada com o jeitao do Gaiman. Me cativou imensamente e fez com que eu olhasse com mais carinho as obras que eu não gostei tanto assim. Outra obra que fez foi aumentar minha admiração foi “Coisas frágeis”, especialmente o vol. 2 eh uma obra que reúne o que há de mais sensível na fantasia, de forma escancarada e assertiva.
    Não gostei tanto do “Oceano” e do ” Lugar nenhum”, mas entendo a proposta de leveza que cada um desses textos nos traz.
    Mas se vamos aqui falar de uma obra marcante e imperdivel desse cara, acho que não há muita concorrência….
    Um dia, ha muito tempo, alguém discutia comigo sobre os meritos da fantasia…. 🙂 e como prova de seus argumentos me trouxe um livrinho estreito mas lindo, que me arrebatou de vdd. Fez com que eu olhasse nao soh o autor com outros olhos, mas também o seu promotor. De fato, aquilo pra mim foi uma experiência diferente, significativa, que me relembrou a importância de estar aberta para sensações diferentes. Algumas pessoas sao realmente estrelinhas na nossa vida e por vezes, estamos tao focados num objetivo anterior q deixamos passar o valor e a riqueza da convivência e o poder da entrega. Reconhcer essa riqueza e permitir-se apaixonar eh realmente mágico. O livro eh uma grande lição.
    De vez em quando, passa na TV o filme adaptação de Stardust (que antes eu achava ridículo) e eu costumo parar para suspirar.
    Esse eh o meu voto para inclusão na sua lista.
    STARDUST não pode ficar de fora.

  5. Elen Elen
    21 de setembro de 2015    

    Você não falou de Stardust o meu preferido :'(

  6. 10 de outubro de 2015    

    Olá!

    Bacana o post de vocês! Também sou bastante fã do Gaiman e de todas as suas obras. 🙂

    Desculpe, mas a Mara Beatriz França Guimarães, não é do blog Index-a-Dora. Ela é uma colega bibliotecária, conhecida. Meu nome é Dora Steimer e eu sou a proprietária do blog. Obrigada. ;D

    • dwookie dwookie
      10 de outubro de 2015    

      Oi, Dora! Desculpe pela falha. Já arrumei! Parabéns pelo blog e pelo bom gosto =)

  7. 15 de dezembro de 2015    

    Poxa, cara. Nunca li nada do Neil Gaiman, mas sempre tive vontade. Pretendo iniciar meu contato com o autor por meio do quadrinho Sandman.

    Abração!

  8. 16 de dezembro de 2015    

    Como sempre, excelente texto.

    Eu conheci Neil Gaiman através de “Deuses Americanos” e, como você descreveu muito bem é impossível ficar em apenas uma obra. O discurso “Faça Boa Arte” fica no meu celular e o escuto uma vez a cada 15 dias, ou mais…quando os sintomas da procrastinação persistem.
    Mas só vim ler Sandman agora, acredita? Acho que muita gente (assim como eu) se empolgou com o lançamento de “Prelúdio”.

    Ah! Eu incluiria fácil ‘1602’ no item 10…=D

    abração.

  9. Julia Julia
    5 de Maio de 2016    

    Oi moço 🙂
    Eu sei que esse post não é novo, mas cheguei agora e queria te falar que adorei o post, mas essa moça na foto de Doctor Who não é a esposa dele nao… essa aí é a personificação da Tardis. Esposa ele só tem a River Song 🙂
    Parabéns pelo blog!

    • 5 de Maio de 2016    

      Oi Julia. Eu me refiro a ela como esposa do Doutor por ser o nome do episódio The Doctors Wife, escrito por Neil Gaiman

  10. Bruna Bruna
    20 de junho de 2016    

    O oceano no fim do caminho,também merece tá na lista,embora eu acredite profundamente que cada livro ou hq , contém algo genuíno e peculiar, se alguém está cansado de histórias previsíveis ,deve dá uma chance,seja qualquer livro dele, até os infantis… com um pouquinho de sensibilidade com certesa , suas obras se tornarão um vicio …foi assim comigo, e com meu namorado ,juntos nessa paixão e admiração ! Neil Gaiman nos deixa sem adjetivos suficientes,ou que pareçam a altura… Autor preferido <3

  11. Rubico Rubico
    31 de Maio de 2017    

    Fala Drunk, tudo certo?

    Mais uma vez você é responsável por algo novo – e bom, que tardiamente descubro… Bom, antes tarde do que nunca.

    Conheci ou melhor, fiquei sabendo da existência de Neil Gaiman, através do alto hype que se criou em torno da série de TV antes mesmo de ela estrear. Engraçado que quando se falava que Deuses Americanos era a série mais esperada de 2017 fiquei curioso e fui atras de informações do que se tratava. Mais pelo título “Deuses”, que sempre irá chamar a minha atenção mais do qualquer outra coisa. É sempre aquilo né, falou em dragões, magia, deuses, espadas…

    A série estreou e logo fui conferir o episódio.. Depois o post aqui do blog… O link que aqui comento… O segundo, terceiro, quarto episódios… O livro adquirido na terça-feira passada e finalizado ontem.

    Pois é…

    Obrigado. Mais uma vez.

    Assim que terminar o próximo te aviso.

  12. Vitor T. Vitor T.
    15 de setembro de 2017    

    Me convenceu! Sou um leitor novato que gosta muito de fantasia, to num pique gigantesco, comecei por Nárnia, alguns livros do Tolkien, as cronicas de gelo e fogo, ciclo herança e agora as cronicas do matador do rei. Quero dar uma chance pra outros temas, comprei hoje mesmo os dois volumes de Coisas frágeis, queria ler sandman mas tá bem caro, enfim, espero que seja bom assim

    • 23 de setembro de 2017    

      Fico extremamente feliz em saber que vc está no pique para ler Fantasia mas também está dando chances para outros temas. Eu também era assim e ler outros temas me abriu os horizontes. Se precisar de mais indicações, pode me procurar. Abraços

No entanto, Pings

  1. Vale a pena ver – Deuses Americanos – DrunkWookie on 8 de Maio de 2017 at 22:42

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seja Madrinha/Padrinho do Drunkwookie

Assine "Newsletter Drunkwookie"

Receba as publicações do blog, direto no e-mail!

Publicidade

Show Buttons
Hide Buttons